• Pro Societate

Jurisprudência - Precatórios e empresa pública de direito privado


O STF decidiu recentemente que o regime de precatório não incide para as empresas públicas desde que presentes três requisitos: 1) sejam dotadas de personalidade jurídica de direito privado; 2) possuam patrimônio próprio e autonomia administrativa; e 3) exerçam atividade econômica sem monopólio e com finalidade de lucro (RE 892727/DF, rel. orig. Min. Alexandre de Morais, red. p/ o ac. Min. Rosa Weber, julgamento em 7.8.2018)


Vamos à análise dos aspectos relevantes da decisão para o Ministério Público:


1) Dispõe o artigo 100, da Constituição, que: “Os pagamentos devidos pelas Fazendas Públicas Federal, Estaduais, Distrital e Municipais, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronológica de apresentação dos precatórios e à conta dos créditos respectivos, proibida a designação de casos ou de pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais abertos para este fim.”


2) O STF entendeu que a regra não incide para todos os entes públicos.


3) Em se tratando de empresa pública dotada de personalidade jurídica de direito privado com patrimônio próprio e autonomia administrativa, responsável por exercer atividade econômica sem monopólio e com finalidade de lucro, inexiste fundamento constitucional para que se submeta ao regime de precatórios.


4) Assim, essas empresas devem se sujeitar ao regime de execução direta.

46 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

© 2018 - Pro Societate

  • Branca Ícone Instagram
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon